Três poemas tristes

 

NA RENÚNCIA

 

Agora sei que renunciando,

trouxestes nos braços a fraqueza

e mesmo assim amando,

não faz sentido esta certeza.

Já entendi o teu silêncio mortal,

que imprimiu em mim a tristeza,

para quê um grande amor afinal?

Não vê de onde vem tanta beleza.

Vai, segue, o mundo é pequeno demais,

o tédio não estará garantido,

mergulha em teus pantanais,

de amores perdidos, meu querido.

 

SÓ VOCÊ


Nada se ergue sobre a mentira,

é frágil a obra do engano,

oferece e depois retira

dos sonhos todos os planos.

É melhor cair tudo no chão

para construir novamente,

com a verdade no coração,

com o amor sempre presente.

Se quisesses recomeçarias,

se eu pudesse com prazer te ajudaria,

mas não posso e vou dizer porquê:

os alicerces estão dentro de você.

 

PARA RECOMEÇAR

 

Eu sempre enviei sinais diversos,

de algo belo e muito antigo,

faz de nós infinito Universo,

afasta da vida qualquer perigo.

Foi de amor que eu falei

e nos puros sentimentos de menina,

não houvesse visto o que encontrei

quando a dor vem e ensina.

Mas vou te contar um segredo

que desativa meu medo,

se ainda eu tiver a ternura,

serei invencível e segura.

E saberei então novamente,

plantar outra frágil semente

e regar outra vez o amor,

ainda que com as lágrimas da dor.

Altre opere di questo autore