PALAVRAS

PALAVRAS Tanto revelam, quanto escondem, palavras selam, e tamb?m consomem. Viajam pelo tempo, futuro, passado e presente, emprestam discernimento aos nossos sentimentos. Aquelas que vivem guardadas em algum lugar escondido, n?o querem ser reveladas, pois ? l? que mora o perigo. De todas, s?o as do engano, que ferem fundo a alma, destroem os nossos planos e nos confisca a calma. E as doces, cheias de ternura, nos fazem diluir o tempo, trazendo de volta a cura, para o nosso pensamento. Meias palavras tamb?m s?o ditas buscando entendimento e ?s vezes passam sem sentido por quem n?o as tenha entendido. At? o toque dos sinos, tem palavras a dizer, aprontem seus figurinos, ? morte, culto ou festa pra fazer. H? quem fale com as paredes, a solid?o est? em todas as redes, h? quem busque uma palavra s?, que lhes desate da garganta o n?. Camaleoa, ela vive reciclando-se, refazendo-se, replantando... E palavras tamb?m gozam da morte, como toda a vida em sua sorte. Por?m as que encantam o mundo, estas nascem de um sentimento profundo, s?o as do amor com certeza as palavras de maior beleza.

Altre opere di questo autore