Assim

 

ASSIM

 

        Os amores que em mim deviam acabar, os dedos de uma só mão podem contar, eu sempre mergulhei na ilusão de que o amor é infinita imensidão.

        Doce engano, bela insensatez, nestes amores alimentei minha mudez.

        E quando eu pensava que nada mais aconteceria, um novo amor aparece assim por magia, do nada, do vazio vem dando vida a mil paixões acalentadas e adormecidas.

       Vim apostar, quero amar como se fosse o primeiro, o maior, o mais verdadeiro.

Altre opere di questo autore