Oasis

 

OÁSIS

 

Esse mundo

é messalino,

é libidino.

Oásis de regaços,

onde morro

por amar

mais do que posso;

e mato por amar

menos do que sei.

Dentro do meu peito,

não há veneno,

nem em meu verbo,

ainda estou

aprendendo

a bondade.

Venha chover em mim

sua calda de luzes,

meu universo.

Altre opere di questo autore